12 de jul. de 2020

CONVITE PARA sermos cristãos autênticos a cada dia

Na liturgia deste domingo, 12, Jesus nos convida a
ser semeador. Na homília desta manhã, o diácono João Magro, na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Campo Mourão nos motivou com sua sabedoria a sermos autênticos cristãos. Ou seja, ser cristão em todos os momentos e em todos os lugares aonde estivermos. "Não podemos ser uma pessoa no trabalho, outra em casa e outra ainda diferente na Igreja, temos que ser bom cristão aonde a gente esteja, em casa, no trabalho, na Igreja, para fazer a vontade de Deus, esta é a nossa missão", ensinou Magro.
O diácono que proferiu a homília na missa celebrada pelo padre Benedito, também exaltou para valorizarmos o "presente". "O presente é a graça que Deus nos dá hoje porque estamos vivo, por isso precisamos viver bem cada dia, que é um presente que recebemos."
Confiança - Para viver a palavra proclamada hoje acrescenta-se o Salmo 36: "Confia no Senhor e faze o bem, e sobre a terra habitarás em segurança. Coloca no Senhor tua alegria, e ele dará o que pedir teu coração."
E para finalizar, o papa Francisco vem e diz que o Cristão tem que ser alegre, porque está com Cristo. Que o espírito de Deus nos ajude e ilumine a sermos bons cristãos em todos os lugares. 
Viva a nossa Igreja! Viva a palavra de Deus. 
Bom mesmo é ser feliz e ser cristão.


EVANGELHO DO DIA domingo, 12 de julho 2020

Evangelho
- Mt 13,1-23
Naquele dia, Jesus saiu de casa e foi sentar-se às margens do mar da Galiléia. Uma grande multidão reuniu-se em volta dele. Por isso Jesus entrou numa barca e sentou-se, enquanto a multidão ficava de pé, na praia. E disse-lhes muitas coisas em parábolas: 'O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e os pássaros vieram e as comeram. Outras sementes caíram em terreno pedregoso, onde não havia muita terra. As sementes logo brotaram, porque a terra não era profunda. Mas, quando o sol apareceu, as plantas ficaram queimadas e secaram, porque não tinham raiz. Outras sementes caíram no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas. Outras sementes, porém, caíram em terra boa, e produziram à base de cem, de sessenta e de trinta frutos por semente. Quem tem ouvidos, ouça!' Os discípulos aproximaram-se e disseram a Jesus: 'Por que tu falas ao povo em parábolas?' Jesus respondeu: 'Porque a vós foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos Céus, mas a eles não é dado. Pois à pessoa que tem, será dado ainda mais, e terá em abundância; mas à pessoa que não tem, será tirado até o pouco que tem. É por isso que eu lhes falo em parábolas: porque olhando, eles não vêem, e ouvindo, eles não escutam, nem compreendem. Deste modo se cumpre neles a profecia de Isaías: `Havereis de ouvir, sem nada entender. Havereis de olhar, sem nada ver. Porque o coração deste povo se tornou insensível. Eles ouviram com má vontade e fecharam seus olhos, para não ver com os olhos, nem ouvir com os ouvidos, nem compreender com o coração, de modo que se convertam e eu os cure'. Felizes sois vós, porque vossos olhos vêem e vossos ouvidos ouvem. Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não viram, desejaram ouvir o que ouvis, e não ouviram. Ouvi, portanto, a parábola do semeador: Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a compreende, vem o Maligno e rouba o que foi semeado em seu coração. Este é o que foi semeado à beira do caminho. A semente que caiu em terreno pedregoso é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria; mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento: quando chega o sofrimento ou a perseguição, por causa da palavra, ele desiste logo. A semente que caiu no meio dos espinhos é aquele que ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza sufocam a palavra, e ele não dá fruto. A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende. Esse produz fruto. Um dá cem, outro sessenta e outro trinta.' - Palavra da Salvação. Glória a Vós, Senhor!

11 de jul. de 2020

ENTREVISTA DE DOMINGO: Jornalista Solange Riuzim

"Sou batalhadora, alegre, persistente, contraditória e com uma boa pitada de doidice. Sempre gostei mais de TV, pois o fato de poder contar uma história com o recurso das imagens é sensacional. A TV também permite ouvir pessoas." A afirmação é da jornalista Solange Riuzim, nascida em Londrina, mas realizada profissionalmente em Maringá. Ela é homenageada na ENTREVISTA DE DOMINGO aqui no BLOG DO ILIVALDO DUARTE. Ao longo de mais de 30 anos no jornalismo, Solange soube cativar e ser cativada pelo público, por seu jeito simples, otimista e carismático de ser e de viver. 
"Acho que a maturidade me trouxe mais valor à vida, diria que a paixão pela vida, se tornou amor à vida. Sou uma pessoa simples, trabalhadora como tantos outros. A diferença é que no meu trabalho, apareço no vídeo. O que impreterivelmente, me torna pública."
Ela conta um pouco da sua história de vida pessoal e profissional e o que pensa sobre vários assuntos. 
Esta é a ENTREVISTA DE DOMINGO 186, neste projeto de contar e valorizar a história da nossa gente, iniciado em 2009 aqui no Blog.
Ótima leitura.
QUEM É SOLANGE LOUZANO RIUZIM?  Sou uma pessoa simples, trabalhadora como tantos outros! Sou casada e tenho dois filhos. A diferença é que no meu trabalho, apareço no vídeo. O que impreterivelmente, me torna pública. Mas essa "publicidade" nunca me subiu à cabeça não.  Fora da "telinha" sou uma pessoa comum: dona de casa, como tantas outras. Faço todo e qualquer serviço doméstico. Mas na cozinha? Tenho que admitir que não faço aquele sucesso todo, entende? cozinho o básico mesmo! rsrsrs. Amo bichos, desde criança pegava os bichinhos de rua para tratar e cuidar, à contragosto da minha mãe. Sempre tive cachorros. Atualmente tenho duas: uma pastor alemão, a Bibi e um vira lata que adotei, a Lila.  
Me defino como alguém  batalhadora, alegre, persistente, contraditória e com uma boa pitada de doidice. Não me defino como uma pessoa normal, até  porque acho chato ser normal. 
ONDE FOI SUA INFÂNCIA? Minha infância foi em Londrina, onde nasci, estudei e passei parte da minha juventude. Tive uma infância super feliz. Muitos amigos, entre vizinhos e colegas de escola.  Brincávamos na rua (naquela época esse não era um termo pejorativo) de betes, pega-pega, esconde-esconde, vôlei, carrinho de rolemã e muito mais. Adorávamos aventuras. 
De vez em quando eu e os vizinhos fazíamos arte também. Normal.  
Mas as lembranças da minha infância são muito boas.  De vez em quando, até brincava sozinha, mas gostava mesmo era da coletividade, de estar junto da meninada e da molecada.
- Abaixo fotos de ontem e hoje da cidade de Londrina. 

COMO ACHA QUE OS OUTROS TE VEEM? Mais alta e mais gordinha! rsrsrs. Essa é a imagem que devo passar para muitos. Porque fora da telinha é muito comum alguém chegar para mim e dizer: Nossa! Você é pequena! Nossa! Você é magrinha!  Curiosidades dos bastidores.  Mas falando pelo lado mais sério, o olhar dos outros é bem complicado. A
gente se enxerga de um jeito, que nem sempre corresponde ao que os outros vêem. Naturalmente, como otimista que sou, imagino que tenha uma boa imagem pros outros. Ou para maioria, já que ninguém agrada a todos.  Penso passar a imagem der uma profissional séria e bem humorada ao mesmo tempo. Acho também que os outros me vêem como uma pessoa simples, que não faz distinção entre um e outro. Já ouvi isso de muita gente. 
Enfim, nunca tive a pretensão de passar a imagem perfeita para os outros, mas sim, uma imagem de respeito, acima de tudo profissional. E o retorno que tenho nas ruas, é sempre, sempre, de muito carinho. Então, fico feliz com isso!   
QUE LEGADOS GOSTARIA DE DEIXAR? Não tenho grandes pretensões em relação a isso. Mas se conseguir, com o meu trabalho, um legado de respeito e maior consciência com o meio ambiente, com os animais, com o próximo, especialmente aqueles que não têm nada, nossa! Já seria demais!
Na vida pessoal, para os meus filhos, espero deixar o legado da honestidade, respeito ao próximo, da religiosidade e da necessidade de "cultivar" todos os dias, a humildade e o bom humor. 
ONDE ESTUDOU E QUE CURSOS FEZ? Estudei em Londrina, até a faculdade. Fiz jornalismo na Universidade Estadual de Londrina (UEL).  Já em Maringá, fiz curso de espanhol na Universidade Estadual de Maringá (UEM), pelo ILG - Instituto de Línguas da Universidade. E também na UEM, fiz pós-graduação em economia, um curso de Desenvolvimento Regional, uma área de estudos da economia. Também fiz curso de francês, básico, e passei por algumas escolas de inglês. 
COMO FOI SUA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL? Sou bem ruim de datas, me formei na UEL em 1987, mas dois anos antes, consegui trabalho na TV Tibagi, do o SBT, que tinha sede em Apucarana.  Por uma
semana, trabalhei indo e vindo de Apucarana todos os dias. Afinal morava e fazia faculdade em Londrina.  Mas para minha sorte, surgiu uma vaga na sucursal de Londrina, de repórter. Na época, meu chefe, Wagner Moretti - imagens abaixo- me ofereceu a vaga e então, comecei a trabalhar no SBT em Londrina. Em 1988 me mudei para Maringá, incentivada por outras duas amigas de faculdade, que estavam trabalhando na cidade. Pedi transferência pra Maringá, pela TV Tibagi e o Wagner Moretti , me aceitou aqui. Poucos meses depois, surgiu o convite para vir para RPCTV, onde estou até hoje.  Também trabalhei na assessoria de imprensa da UEM, Universidade Estadual de Maringá.  Fiz algumas reportagens como free lancer  para jornais impressos, como a Folha de Londrina e trabalhei para Rádio CNB de São Paulo, proudiznho reportagens para um programa agrícola, o CBN Rural.  
Wagner Moretti, acima há alguns anos... e abaixo neste sábado, 11 de julho de 2020.
O QUE MAIS GOSTOU DE FAZER? Sempre gostei mais de TV. O fato de poder contar uma história com
o recurso das imagens é sensacional. O desafio de sincronizar, de fazer um texto que corresponda ou complemente uma imagem , sempre me cativou.  A TV também permite ouvir pessoas. Acho que uma boa história só é contada, quando tem Gente. Gente que contribua, opine, complemente, dê vida ao que contamos.    
O QUE FAZ HOJE? Continuo trabalhando na reportagem da RPC TV em Maringá.   E continuo acumulando o trabalho de dona de casa, como a maioria das mulheres.
TEM TRAJETÓRIA ESPORTIVA? Como sou pequena, nunca foi atleta, mas sempre pratiquei algum tipo de esporte dentro das minhas
limitações...rsrsrs. Já fiz natação, vôlei, já tentei jogar futebol mas fui um desastre. Parei na tentativa.  Atualmente, brigo com o tempo e tento fazer atividade esportiva para minha saúde. Ando de bike, caminho, dou uma corridinha (bem pouca) e faço um pouco de musculação.    
QUAL SEU ESPORTE E TIME DO CORAÇÃO? Hoje, pedalar. Torço para o Corinthians e para o Brasil, é claro.  E na Seleçao Brasileira, já tive ídolos, como Zico, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho Gaúcho, e atualmente o Gabi Gol. O melhor time que vi jogar foi o da seleção da Copa do Mundo de 2002. Mais por causa do Ronaldo Fenômeno, que vinha de uma contusão séria e jogou muito.  
DESDE QUANDO É APAIXONADA PELA VIDA, PELO JORNALISMO? Desde que nasci, claro! Mas particularmente, embora a gente viva mais intensamente quando jovem, acho que a maturidade me trouxe mais valor à vida.  Diria que a paixão pela vida, se tornou amor à vida. No Jornalismo, a culpada foi eu mesma, pois meus pais nunca tentaram me influenciar pra escolher a profissão. Foi feeling, intuição para fazer a escolha.  
COMO VÊ O JORNALISMO? Como um agente transformador, uma profissão que permite informar e transformar pessoas, comunidades e um país inteiro. 
O QUE MAIS GOSTA DE FAZER NO JORNALISMO?Gosto da rua. Já passei pela edição,  apresentação, mas gosto mesmo é da rua. O contato com as pessoas, enfim. A reportagem sempre me atraiu mais.     

COMO É A SUA ROTINA? Ultimamente minha rotina está bem diferente por causa da pandemia. Estou trabalhando normalmente na TV, mas com toda proteção e segurança.  Na vida pessoal , minha rotina mudou total. Adoro sair, ver amigos, comer
fora, e nada disso estamos podendo fazer. Por outro lado, minha rotina de estar mais em casa tem sido uma experiência sensacional, na medida em que jamais, em outra situação teria oportunidade de conviver com meus filhos e meu marido, como estamos hoje. Meus filhos são jovens e como não estão saindo, estamos todos juntos e misturados. Muito bom mesmo.      
COMO É A EXPERIÊNCIA DE VIVER O JORNALISMO COM LIBERDADE? É fundamental e de muita responsabilidade ao mesmo tempo. 
Você poder falar o que quer e do jeito que quer, mas exige ética acima de tudo.  Exige consciência e um cuidado extremo com o que é fato.   
O QUE MAIS TE MOTIVA IR AO ENCONTRO DO JORNALISMO? O amor pelo trabalho. 
QUAL O ESTÁGIO DA COMUNICAÇÃO ATUALMENTE? Em fase de grande transformação,  que já vem de alguns anos, mas que deve se consolidar num futuro próximo.  A comunicação que
se fortalece nas redes sociais, e ao mesmo tempo, que nos faz viver com uma enxurrada de fake news. E nesse sentido, fortalece ao mesmo tempo o jornalismo sério, inclusive dos meios tradicionais, como TV,  rádio, assessorias. A comunicação que vai ficando com equipes mais enxutas, logo com mais responsabilidade de cada um.      
O QUE MUDOU COM A TECNOLOGIA, INTERNET? Tudo. Hoje temos um aplicativo no celular, onde o repórter pode entrar ao vivo de qualquer lugar que tenha sinal e sozinho. é só clicar e falar.  A tecnologia mais acessível transformou completamente o nosso modo de trabalhar. 
Atualmente, fazemos reportagens inteiras com celular. 
QUAIS SÃO OS DESAFIOS PARA O FUTURO DO JORNALISMO? Entre os desafios, diria que: lidar com a tecnologia e alcançar padrões de qualidade exigidos ao mesmo tempo; trabalhar de forma mais enxuta e atender as necessidades de urgência do jornalismo diário; e buscar formas atraentes de contar histórias. 
QUAL PROJETO AINDA GOSTARIA DE REALIZAR?
Não tenho, pelo menos agora, um grande projeto ainda a ser realizado. Mas nada que amanhã, mude de ideia. 
QUAL VIAGEM GOSTARIA DE FAZER?Adoro viajar. Tem vários países e lugares que ainda quero conhecer. Entre eles, o Japão e a China. 
- Abaixo algumas imagens do Japão para estimular o sonho da Solange. 
QUAL DECISÃO MARCOU SUA VIDA? Nossa, tantas! A de me mudar para Maringá. Mudou totalmente meu destino, minha história. Aqui me casei, tive filhos e formei minha história profissional também.
PRINCIPAIS CONQUISTAS NA SUA VIDA? Acho que o fato de ter conseguido um lugar ao sol na televisão. Um meio disputado, especialmente entre repórteres. Através do meu trabalho, ter conquistado uma vida tranquila, que nos permite fazer o que precisamos no dia a dia e o que gostamos também.  Uma vitoria também é o fato 
de ter conseguido conciliar o trabalho, sem horário, sem fim de semana, muitas vezes sem Natal ou Ano Novo, com a vida familiar. Ter conseguido criar meus filhos. Não foi fácil. Tantas vezes não estive ao lado deles. Mas hoje, vendo os dois lindos e com uma cabeça boa, me sinto vitoriosa. Claro que com a ajuda do maridão, e dos meus pais, que me socorreram tantas vezes. 
SE PUDESSE VOLTAR NO TEMPO, O QUÊ JAMAIS TERIA FEITO? Talvez tivesse aproveitando oportunidades de trabalho, que possam ter surgido. 
Mas acho que mesmo o que fiz de errado, serviu de lição para melhorar.  Então, prefiro não pensar no "jamais".
TRÊS PERSONALIDADES DO JORNALISMO?
Tenho muitas! Mas gosto muito do Pedro Bassan, Sonia Bridi (foto), Marcelo Canelas. Isso só me referindo a repórteres de televisão. Mas, minhas referências vão muito além. 
MELHOR TIME COM QUE CONVIVEU? Não me atrevo a escolher um melhor time, na medida em que tanta gente já passou por mim. E cada um com sua importância na minha vida. Aqui conquistei grandes amigos que vou levar para o resto da vida. 
Tive a oportunidade de trabalhar com os melhores cinegrafistas, porque em Maringá, estavam os melhores do Parana. 
A matéria da minha vida? Não tenho uma. Tem tantas que me marcaram. Desde uma reportagem que mostramos os moradores de rua em maringá, até uma série de reportagens que fizemos para mostrar a safra dos Estados Unidos.   


Outro assunto que marcou minha vida, foi  a enchente do Rio Paraná, acho que em 1990.  Estava começando na TV e nessa cobertura, entrei todos os dias em rede nacional, durante uma semana inteira. Foi muito produtivo profissionalmente.    
JOGO RÁPIDO
O MOMENTO ATUAL DA SUA VIDA É? De reflexão. De traçar estratégias pro futuro próximo. De paz de espírito. 
ÉTICA É? Ser responsável! 
Ter cuidado redobrado com o que divulgamos. 
Ter humildade de admitir que não sabemos tudo, de perguntar e conferir quantas vezes necessário. 
Ética é honestidade no trabalho e na vida pessoal. 
É cuidado com o que dizemos, para quem dizemos e as consequências disso. 
É garantir com severidade a verdade, as versões de fatos, para garantir consciência tranquila.
MÚSICA?  Amo musica. Uma?  We are the champions! I want to break free! O tempo não para.
O Sol! e por aí vai.   
AUTOR? Jota Quest,  Cazuza, Queen.
FAMÍLIA É? Tudo. Meu porto seguro. Minha motivação. 
RELIGIÃO? fundamental. A vida é mais fácil quando a gente tem fé!
UM " GOLAÇO" QUE MARCOU NA SUA VIDA? Me tornar mãe. Então foram dois gols de placa. E
um convite que recebi para trabalhar um mês na Globo de São Paulo. Uma alegria imensa e uma tremedeira também.  Alguns prêmios de reportagem, uma alegria enorme.
UMA ESPERANÇA?  Que tudo isso que estamos vivendo passe logo. Que os nossos dias sejam melhores.
UM SONHO? Ter independência financeira.
SAUDADES? DE QUEM E DO QUÊ? do seu Nabor, meu pai, que se foi, mas faz falta todo santo dia.
SOLANGE POR SOLANGE. Uma pessoa como outra qualquer, cheia de fantasias, sonhos, que às vezes desanima, mas logo em seguida, toca o barco e segue em frente.  Nada normal! Uma pessoa que fala sozinha, esquece o que falou, dança sozinha e chora sozinha. Mas nunca está só. Sempre rodeada de pessoas queridas. 
RECEBER ESTA HONRARIA NA ENTREVISTA DE DOMINGO? Uma homenagem muito bacana. 
Que está me dando trabalho. Muitas perguntas! Rrsrsrs... Mas sempre uma honra ser lembrada. Gratidão! 
RECADO AOS LEITORES Aos leitores, às pessoas que nos assistem, só tenho que agradecer.  O imenso carinho que tenho e que me motiva todos os dias!
É meu maior prêmio.  Gratidão eterna.   
QUE PERGUNTA NÃO FOI FEITA QUE GOSTARIA TER RESPONDIDO?  Absolutamente nenhuma..
Este questionário está completo até demais. 
- Neste sábado, 11 de julho, ela participou por alguns minutos do programa Tocando de Primeira de número 1.351 na Rádio Colméia FM, apresentado por Ilivaldo Duarte.