9 de ago de 2009

ENTREVISTA DE DOMINGO: Dr. Rui Antonio Cruz


Paulista de Bento de Abreu, filho de cearense e de italiana, o corintiano e atleticano, Rui Antonio Cruz, mais conhecido como Dr. Rui -mourãoense de coração há mais de duas décadas, Juiz de Direito em Campo Mourão é o homenageado neste dia 9 de agosto de 2009 na ENTREVISTA DE DOMINGO.
Pessoa simples, honesta e trabalhadora, exemplo e orgulho para sua família e para quem tem o privilégio da sua convivência, Dr. Rui é duplamente homenageado neste final de semana. Ontem (08/08), no nosso programa Tocando de Primeira na rádio Rural AM, quando de surpresa participou do quadro de homenagens tornando-se a mais nova Celebridade do programa.
Contou fatos da sua vida, ouviu manifestações carinhosas dos amigos e familiares, se emocionou e até deixou cair algumas lágrimas porque, afinal de contas, acima de tudo é humano e um filho de Deus abençoado. Na foto acima, Dr. Rui posa orgulhoso e feliz com as duas honrarias recebidas no programa: a camisa do Atlético Paranaense - um dos seus times do coração- e o troféu personalizado "Tocando de Primeira - programa 835", produzido por Troféus e Brindes Coelho.
Nesta ENTREVISTA DE DOMINGO, Dr. Rui relata um pouco da sua história de luta e obstinação em busca de um sonho e vitórias, suas opiniões sempre firmes sobre vários assuntos, que o coloca entre as personalidades mais carismáticas e importantes da nossa Capital do Centro Oeste.
Parabéns Dr. Rui, receba esta singela homenagem, com a certeza de que nós mourãoenses é que temos o privilégio de ter em nosso meio com uma pessoa tão simples, exemplo de cidadania, ética e companheirismo. Viva!
Vale a pena conhecer um pouco mais sobre este Cidadão Benemérito de Campo Mourão e agora Celebridade neste BLOG e na imprensa mourãoense.
Quem é Rui Antonio Cruz?
Sou um dos filhos do "seo" Antonio Cruz, um cearense que veio de “pau-de-arara” trabalhar em lavoura de café no Estado de São Paulo e casou-se com a filha do administrador da fazenda, Itália Delcorço. Sou o quinto filho e como dizia minha mãe, das treze “barrigadas”, que vingaram sete. “Seu Cruz” homem simples, rude, trabalhador e honesto, sentiu-se realizado com esta façanha. Dona Itália não. Queria mais para os filhos.
Logo após o meu nascimento em 29 de setembro de 1.946, em Bento de Abreu (SP) - foto abaixo e ao lado da entrada da cidade- eles se mudaram para Araçatuba,
com o objetivo de dar escola para
Wilson, Lair, Nely e Dora,
onde Rui foi criado e nasceram ainda José Oliri e Joana.
Sem uma profissão definida, meu pai trabalhou de vigia em postos de gasolina e residências, mas com o seu parco ganho, mais os dos filhos que cedo começaram a trabalhar e com o “caixa único” existente na família, conseguiram sobreviver, adquirir sua casa própria e formar a quase todos.
Ao todo somos dois contadores, uma advogada, uma Sscretária, um juiz, um médico e uma professora de música.
A minha infância, adolescência e juventude foram vividas, intensamente, em Araçatuba.
Sou casado e muito bem casado desde 1974, com Ana Maria Arantes Cruz (foto abaixo)
E da nossa feliz união que celebramos recentemente 35 anos nasceram nossos dois filhos - Rodrigo Arantes Cruz (acadêmico de medicina veterinária) e Ana Paula Arantes Cruz (Nutricionista) e uma adorada neta (Maria Fernanda), que complementam a minha vida. Como senhor se define?
Na vida particular LEAL e incapaz de tomar qualquer atitude que possa vir a desagradar a terceiro, sem que este seja o primeiro a saber. Isso já me proporcionou reconhecimento e causou, também, aborrecimento.
Onde o senhor estudou e iniciou sua vocação jurídica? Conte-nos um pouco da sua trajetória.
Fiz o curso primário, ginásio e segundo grau em Araçatuba (SP) e o curso de Direito em Bauru.
Desde os 12 anos de idade, trabalhava no cartório do Segundo Ofício em Araçatuba, primeiro como auxiliar e depois como escrevente juramentado. Ao terminar o segundo grau, e com a “posição social” adquirida por “trabalhar em cartório” desisti de estudar. Mas Dona Itália, minha mãe, queria mais para mim e obrigou-me a prestar o vestibular para Direito em Bauru, onde acabei sendo aprovado.
O primeiro ano e metade do segundo cursei viajando todos os dias, de Kombi, de Araçatuba-Bauru, (190 km) e isso acabou me cansando. Com a ajuda de um Amigo – Fernando Garmez – consegui emprego no cartório do Terceiro Ofício de Bauru, cidade para onde me mudei, onde desfrutei das delicias e das agruras da vida universitária. Participei de Grupo de Jovens mantido pela Igreja Católica e acabei colando grau.
Como o trabalho no cartório era altamente estressante e o ganho suficiente apenas para pagar república, faculdade e poucos gastos pessoais, fiz um propósito: deixar aquele serviço no dia seguinte à minha colação de grau. Não deu certo, sai um dia antes.
Na minha vida cartorária, trabalhei com Juízes de Direito (Ruy Mendes, Nilton Silveira, Luiz Francisco Giglio, Paulo Sunau Shintate, e outros mais) e Promotores de Justiça (Damásio de Jesus - foto/charge ao lado- , Cândido Dinamarco) que me serviram de exemplo com sua honradez, seriedade e dedicação ao trabalho, nos quais sempre me espelhei. Daí a minha formação e inclinação para o Direito.
Como advogado, depois de trabalhar alguns meses no departamento jurídico da “Bauru Diesel”, tive a felicidade de ser iniciado por José Bolívar Bretas, com quem, apesar da experiência de cartório, dei as primeiras (e seguras) passadas na advocacia. Fomos sócios de escritório, em Assis Chateaubriand, por sete anos. Com orgulho posso afirmar: Somos “Almas Gêmeas”, amigos e irmãos há mais de trinta.
Quais as principais conquistas na sua vida profissional?
A primeira delas foi conquistar o número 5.118, na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná, após ser submetido a rigoroso exame de ordem em 1.973. Ganhar (e manter) confiança de clientes (que foram muitos) como advogado é uma conquista que deve ser ressaltada.
Outra conquista marcante foi a aprovação no concurso para a Magistratura. Primeiro como Juiz Adjunto, em 1977 e depois para Juiz de Direito em 1978. Abro um parêntese, naquele tempo, o advogado que buscava a judicatura era submetido a dois concursos. Se naufragasse em qualquer deles, estaria de volta para a sua banca.
E mais. A outorga do título de CIDADÃO BENEMÉRITO DE CAMPO MOURÃO, 2001 (foto abaixo). Como o senhor recebe o carinho da comunidade mourãoense nesses mais de 20 anos de convivência?
Antes de tudo, a benção de Deus, depois o apoio incondicional de minha esposa. A minha amada Aninha, fortalecendo-me nas horas difíceis, foi fundamental para o sucesso de minhas atividades. Na sequência, muito trabalho, seriedade, respeito pelos jurisdicionados, imparcialidade e acima de tudo, honestidade. O prato da balança que uso para pesar o direito de cada um, nunca, jamais, pendeu (e com a GRAÇA DE DEUS nunca penderá) para qualquer lado em conseqüência do peso da moeda. Como presidente do Rotary Clube CM, Dr Rui na foto acima ao lado de companheiros- entre eles, o saudoso Edmilson Zarpelon-, entregando uma kombi a Comunidade Terapêutica Redenção (CTR).
Com a evolução dos tempos, os cidadãos estão mais exigentes no tocante aos seus direitos?
Sem dúvida e devemos dar Graças. O povo está mais instruído. Hoje temos boas escolas em todas as cidades. O ensino universitário está mais próximo do povo e essa evolução do homem, aliada à evolução dos meios de comunicação, em especial a internet que permite acompanhar os trâmites de qualquer lei. Some-se a tudo isso as campanhas encetadas pelos poderes para o exercício da cidadania, que nada mais é do que o individuo exigir o que lhe é de direito.
Quais são os desafios dos operadores do direito atual e futuramente?
Estamos passando por uma fase de transição. Tudo está evoluindo muito rapidamente. A cada passo surgem Leis que buscam minimizar as desigualdades, como, por exemplo, a Lei Maria da Penha, o Código de Defesa do Consumidor, o Código do Torcedor, (só para citar esses três) e para o profissional do direito – em especial o advogado - acompanhar toda essa evolução, mais a introdução do processual virtual (que exige pesado investimento), e ainda ganhar o pão de cada dia são desafios assustadores e que exigem esforços hercúleos.
Qual o seu esporte preferido, o time do coração e o ídolo deste time?
Futebol, que já pratiquei, mas hoje só faço caminhada.
Meu time de TODO O CORAÇÃO É o Esporte Clube Corinthians Paulista, no Paraná sou Atleticano – sempre clube do povão.
Ídolo? Prefiro ficar com aqueles dos tempos antigos que não mudavam de time por nada – Cláudio, Luzinho, Baltazar, Cabeção – (não incluo o Gilmar dos Santos Neves por ter trocado o Corinthians pelo Santos).
Mais recentemente Sócrates (foto) , Zé Maria, Wladimir, Marcelinho Carioca. Hoje o que pesa muito é o $er. Os jogadores deixaram de Ser para se tornarem $er. São as regras do mercado.
Como o senhor analisa a corrupção, presente em vários Poderes?
É lamentável a existência da corrupção, mas é verdade que ela sempre existiu, mesmo porque onde está o homem está a imperfeição. Mas nós não devemos nos esquecer de que para cada corrupto – seja de que Poder for – existe um sem número de homens probos e que se mantém honestos e não devemos, nunca, jamais, em tempo algum desacreditar das instituições.
E mais. Para os corruptos dos Poderes Executivo e Legislativo temos a poderosa arma do VOTO, capaz de aniquilar qualquer um. Para os do Poder Judiciário temos as Corregedorias Gerais da Justiça e agora (mais uma inovação) o Conselho Nacional de Justiça, que é bastante rigoroso na apuração desse hediondo desvio.
E tem mais. Como diria “seu Cruz”, o “Diabo ensina e ajuda a fazer, mas não ensina a esconder. A certeza que fica é que toda corrupção será descoberta, é só dar tempo ao tempo."
Ética é .... a moral prática.
Ser advogado é.... ser guerreiro, amante da guerra, mas sem se apaixonar pessoalmente pelas batalhas. Defensor ferrenho do direito de seu cliente, sem se utilizar, jamais, de chicana.
Ser Juiz de Direito é....exercer um sacerdócio. A comunidade lhe dá lugar de realce e em contrapartida deve receber exemplo de dedicação e seriedade.
Política é...... a arte de administrar conflitos sem perder a noção de moral, até porque a ética é a moral prática. Ser político sem deixar de ser ético é cultivar a moral.
O senhor acredita em unidade regional para eleição de deputados no próximo ano em nossa cidade e região?
Pode até parecer utópico, mas acredito. O incansável Presidente da Acicam, Nestor Ocimar Bisi, lançou nas eleições passadas o VOTE COMCAM. Foi uma semente lançada, que germinou e na próxima deverá render bons frutos.
Cite, por gentileza, alguns fatos pitorescos que o senhor viveu como advogado ou juiz?
Como Advogado, uma vez, acompanhando um cliente muito humilde, um modesto lavrador (camponês) ao gabinete de uma Autoridade (não vou citar qual), saí indignado e batendo a porta pelo seguinte motivo: o cliente dirigiu-se à doutora, num tom de voz muito educado e respeitoso, chamando-a de “dona”. Ela, rispidamente, lhe advertiu: “dona, não, doutora, o senhor me respeite”. Imediatamente, puxei o cliente pelas mãos e bradando disse a alto e bom som, “nunca vi tanta petulância numa só pessoa” e, praticamente, arrastando o cliente saí, batendo a porta do gabinete com toda a força.
De outra feita, já como Juiz, encontrava-me à porta do fórum da Comarca, conversando com um amigo que trajava terno e gravata. Eu de calça jeans e manga de camisa, bem à vontade como sempre gostei de trabalhar às sextas-feiras. Passa um cidadão que me fez lembrar o cliente humilde e simples dos tempos de Advogado. Ele, dirigindo-se ao amigo engravatado, com toda a reverência e respeito cumprimentou-o: “Boa tarde Doutor, o Senhor vai bem?” e, dirigindo-se à minha pessoa disse: “e você bichão, vai bem, né?” (risos). Acho que ele pensou que o Juiz era o meu amigo e eu um simples interlocutor do “magistrado” (risos).
Em outra ocasião adentrou ao meu gabinete um advogado de Araçatuba, que havia sido meu colega de cartório. Estava ele acompanhado de um cliente (Seo Matsumoto). Esse cidadão ficou me olhando com curiosidade e afirmou ao seu advogado: “Nossa como o doutor parece com o Seu Cruz”. Seo Matsumoto era o proprietário do posto de gasolina onde meu pai havia trabalhado por longos anos. Prova de que não importa o que você faça, faça-o bem e com respeito para ser sempre lembrado.
Cite três personalidades esportivas em CM
Itamar Tagliari, Jair Grasso e Getulinho (Getúlio Ferrari Júnior)
, que foram secretário de Esportes do Município e muito fizeram por nossa comunidade nessa área.
Cite Três personalidades mourãoenses
Dr. Milton Luiz Pereira
- pelo respeito granjeado no cenário Jurídico nacional.
Dr. Aroldo Gallassini - pelo reconhecimento nacional (e porque não dizer mundial) da sua liderança, respeito e seriedade com que administra a Coamo desde a sua fundação.
Getúlio Pereira Salermo - Pela sua dedicação em participar de instituição voltada em forjar homens. Sem vícios. Utilizou do posto de destaque que ocupava em favor dos menos favorecidos. Os que estiveram por perto sabem. Faleceu pobre, mas deixou um nome. A ser reverenciado. Se você me permitir cito mais uma personalidade, a Elza Moreira Hanel - na foto ao lado do esposo Névio-, pela sua abnegação, desprendimento e dedicação ao Cedus, que agasalha mais de quatrocentas crianças carentes.
Três políticos de destaque na opinião do senhor?
No cenário Nacional:- Juscelino Kubitschek de Oliveira
No cenário Estadual:- Governador José Richa
No cenário Municipal:- Perdoe-me, mas pela minha função, vou me permitir não responder. Mas temos grandes nomes em evidências e algumas boas promessas.
Campo Mourão do presente é.....resultado daquilo que plantamos ontem.
Campo Mourão do futuro será.... resultante daquilo que plantarmos hoje.
O governo Nelson Tureck é... resultado da vontade do povo
O governo Lula é.... fazendo minhas as palavras do padre Ademar: SÓ POR DEUS.
Qual o sentimento do senhor em aceitar o convite e receber esta homenagem na ENTREVISTA DE DOMINGO?
Sinto pesar mais responsabilidade sobre meus ombros. Vejo-me na obrigação de retribuir aos mourãoenses essa homenagem e dentro da minha atividade, prestar melhores serviços aos meus concidadãos.
Dr. Rui foi homenageado ontem (08/08) no programa Tocando de Primeira edição 835, na rádio Rural AM, tornando-se a mais nova Celebridade do programa. O presidente da OAB/CM Júlio Martins Queiroga teve o privilégio de entregar o troféu ao cidadão bentoabreuense de nascimento e mourãoense de coração.
Dr. Rui, a última pergunta, agradecendo a sua presteza e atenção. Qual o recado do senhor aos leitores do BLOG?
Por mais negro que possa parecer o futuro, não podemos perder a fé em DEUS, a crença nas instituições e no discernimento dos homens.
Ao lado da família: uma das suas grandes e valiosas paixões

Igreja Matriz de Bento de Abreu, cidade natal de Rui Antonio Cruz

4 comentários:

  1. Feliz dia dos pais a todos os leitores do Blog do Ilivaldo!
    http://blogdojumadurski.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Dr. Ruy, parabéns pela justa homenagem prestada pelo Ilivaldo, incluindo-o no rol de entrevistados do blog, felicito-o pelas palavras emitidas, comprovando sua probidade de pessoa culta, simples e humilde, captando ainda mais a minha simpatia, respeito e a felicidade em ter-lhe como amigo...
    Abraços: PVeiga

    ResponderExcluir
  3. Verifica-se pela vida de dificuldades, dedicação e estudos, que se contruiu o perfil de um grande homen, tanto com sua familia, como homen público. Sucesso e que Deus continue iluminando seu caminho e dos que o cercam.

    ResponderExcluir
  4. Dr Ruy, parabens pela homenagem de seu sobrinho Anderson (Osasco)

    ResponderExcluir