28 de mar de 2015

ENTREVISTA DE DOMINGO: Reinaldo dos Santos

A ENTREVISTA DE DOMINGO deste final de semana mostra a história de um cidadão que conheceu muitos lugares, jogou futebol como atacante e foi campeão. Ele conheceu a felicidade quando viu a hoje sua esposa Maria Sevulski dos Santos na cidade de Roncador em 1980 e se apaixonaram, Um ano depois já estavam casados. Ele é Reinaldo dos Santos, ex-árbitro de futebol, ex-PM e muito conhecido dentro e fora dos gramados e quadras de futebol e futsal. Ele é o homenageado e conta um pouco, só um pouco da sua história de vida e diz que hoje vive o melhor momento da sua vida. "Tive uma infância sofrida, vendia sorvetes e trabalhava de engraxate para ajudar nas despesas de casa. Fui jogador, artilheiro, campeão e comecei apitando jogos municipais em Mamborê e lá se vão quase 30 anos", conta Reinaldo dos Santos. 
Quem é Reinaldo dos Santos? Sou Reinaldo dos Santos, filho de João Izidio dos Santos e Aparecida G. dos Santos. Casado com Maria Sevulski e pai dois filhos - Danielli e Juliano.



Nasci em Guaraci (PR), perto de Jaguapitã (PR)  em 14/10/1956.

HISTÓRIA -Guaraci recebeu status de município pela lei estadual n.º 253 de 26 de novembro de 1954, com território desmembrado de Jaguápitã, que foi elevado à categoria de distrito em 30 de Dezembro de 1.943, e à de Município em Outubro de 1.947. Mas o fenômeno que é comum à toda região do norte do Paraná não se restringe ao Município de Jaguapitã ou ao de Guaraci: é uma decorrência do plantio do café. As numerosas cidades surgidas do dia para a noite em todos os quadrantes da região; a derrubada violenta das matas; a penetração, por vezes racionalizada, das florestas; o cultivo do solo, feraz e bravio; a transformação de zonas inóspitas e perigosas, tudo isso foi obra rápida, realizada de afogadilho.
Onde e como foi a sua infância? Nasci em Guaraci, mas já andei bastante nessa minha vida. Mas minha infância foi em Cruzeiro do Oeste(PR). Foi sofrido, trabalhoso, vendia sorvete e trabalhava de engraxate para ajudar nas despesas de casa.
Como foi sua atuação na juventude? Foi em Casa Branca (SP), morava com meus tios. Tinha 16 anos e trabalhava cortando lenha e colheita de algodão.
Como o Senhor se define? Um vencedor.
Desde quando em Campo Mourão? Desde 1991 e continuo minha vida em Campo Mourão.
Como foi e onde sua trajetória profissional? Ingressei na Policia Militar em Cruzeiro do Oeste no mês de julho de 1975. Foram anos muito bons trabalhando na corporação, só tenho que agradecer todos os colegas de trabalho e aqueles que me ajudaram na minha caminhada. 
Se pudesse voltar no tempo, o que você não teria feito? Tudo o que fiz foi pelo juramento da bandeira, mas se fosse hoje não teria saído de casa muito cedo, aos 13 anos de idade.
Sua atuação na comunidade? Tenho um bom relacionamento no meio esportivo.
Como entrou para a arbitragem? Quem foi o Culpado? A convite do professor Marcão (Marcos Antonio Mariotto) de Mamborê. Eu jogava futebol, era atacante e joguei em muitos clubes de Mamborê, Umuarama, Cruzeiro do Oeste, Roncador, entre outros. Fui campeão várias vezes e tenho orgulho disso. Um dia ele me chamou para apitar. Comecei apitando jogos municipais no final da década de 80, depois ingressei em Campo Mourão, tive o apoio do árbitro Júlio Fonseca, na época diretor de arbitragem da Liga de Futebol.

Qual o esporte preferido, ídolo e time? Meu ídolo é Garrincha, sou santista, amo o futebol.
Quem em CM é um esportista exemplo? Itamar Tagliari.
Quem é árbitro exemplo em CM? Júlio Fonseca.
Qual manchete ficou na história de sua vida? O jantar de despedida oferecido pelo 11º Batalhão da Polícia Militar em Campo Mourão quando fui para reserva em dezembro de 2000.
Qual jogo apitando que ficou na história de sua vida como muito
bom? e o pior? Muito bom na Segunda Divisão do Paraná entre Jandaia do Sul x Londrina (classificação) em pleno domingo de Páscoa. O pior  foi no Amador em Peabiru (sai de motorista em uma viatura)
Qual decisão e título esportivo ficaram na história de sua vida? O jogo da Segunda Divisão entre Toledo x Goioerê, no 14 de dezembro.
Qual jogada que, se pudesse voltar no tempo, jamais teria feito?  Quais jogadores foram os mais difíceis, indisciplinados em sua carreira? Se pudesse não teria expulsado um jogador no Campeonato Amador, por questão de ética não citarei seu nome. Os mais "complicados" foram os jogadores Nagaia e Grillo, que me agrediram na época. São águas passadas. Já os mais tranquilos os bonzinhos que não incomodaram são muitos, mas cito três: Claudio Pool e Nelson Tureck - foto abaixo no timaço do Luiziana na década de 80- e Antonio Marcelino, o "Tuim".
Ética é.... ser honesto
O momento atual da sua vida é... muito bom.
Qual o melhor time do futebol mourãoense de todos?O Sport, o "Leão do Vale" na era do Benê.

Sonho?  Pantanal
Cite três personalidades esportivas em Campo Mourão? Itamar Tagliari (na foto abaixo com Ticão, Santo Antonio e Claudinho da Assercam), Pedro Cordeiro e Edson Hirata, o "China".
Três personalidades (fora do esporte) em Campo Mourão?
Padre Jurandir (na foto abaixo com o padre Adilson e o arcebispo Dom Mauro), Osni Menezes e Aroldo Gallassini.
Qual o sentimento de receber esta homenagem e partilhar um pouco da sua vida e da sua história? Fiquei feliz por esta homenagem.
Qual o recado para os leitores do blog? Continuem curtindo e acompanhando, pois é muito bom.
Música:Sertaneja
Árbitro: Evandro Rogério Roman.
Comida: Vaca atolada
Saudade de quem? Da minha mãe e meu pai.
Momento inesquecível? Nascimento dos meus filhos (Danielli e Juliano)

Maria "Marlene" Santos: A mulher da minha vida, quem amo muito e é muito importante.

Hobby? . pescar
mania? soneca após o almoço
Um programa esportivo? Tocando de Primeira.

Frustração?  O não reconhecimento do ser humano.
Família é... a base de tudo, a base de tudo, inicio meio e fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário