31 de mar de 2013

ORAÇÃO DIÁRIA: Feliz Páscoa!


EVANGELHO DO DIA Domingo 31 de março 2013

EVANGELHO 
JO 20, 1-9
No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido tirada do túmulo. 2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou. 
9De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos. Palavra da Salvação. Glória a Vós Senhor!

30 de mar de 2013

PLANTÃO DO BLOG: Em jogo de 10 gols, Cascavelense e Campo Mourão empatam em Cascavel pela Chave Ouro

Numa partida cheia de viradas no placar, o Lojas LM/Casali/Fecam, o representante mourãoense na Chave Ouro do Futsal paranaense, empatou em 5 a 5 com o Associação Cascavelense Futsal (ACF) neste sábado, dia 30.  Jogando na casa do adversário, o time da Fecam saiu na frente com gol de Eduardo, levou a virada para 3 a 1, teve o goleiro Fabiano e o técnico Márcio Rinaldo expulsos, e foi para o intervalo com esse placar.  Na segunda etapa, os mourãoenses viraram o placar para 5 a 3 (gols de Eduardo, Jonathas, Batata e Sadi), mas permitiram o empate do ACF quando já terminava a partida.  Além do goleiro Fabiano, o ala Eduardo, que levou o terceiro cartão amarelo, também não enfrenta o Guarapuava, nesta quarta-feira, dia 3, no ginásio do Lar Paraná. Fonte: sites CRN 1 e Rádio Gol.

IMAGEM DE CAMPO MOURÃO

Vista aérea da entrada de Campo Mourão, a quem carinhosamente chamo: a "Capital do Centro-Oeste do Paraná". Se você é mourãoense nato ou de coração, é convidado a compartilhar e espalhar esta imagem belíssima para os amigos no Brasil e no mundo. Viva!

GETRAN/G-7 é campeão do Intergerências da Arcam

Felizes na imagem, atletas e dirigente da Getran / G-7 que faturou esta semana o título do Campeonato Intergerências de futebol suíço - Veterano. O técnico Marcélio não pôde contar com o artilheiro Pasquini que foi ausência na goleada de 5 a 2 sobre a equipe do Demop.

ALUNOS DA ESCOLA PAULO VI e o exemplo de cidadania do Yázigi

A imagem acima do site Itribuna (Valter Velozo) reúne alunos e equipe de professores do Yázigi de Campo Mourão defronte a Escola Municipal Paulo VI nesta semana em Campo Mourão. Eles tiveram o privilégio de participar em uma ação exemplar de cidadania que resultou na entrega de caixas de bombons às 240 crianças da Escola Municipal localizada no bairro Lar Paraná.

A diretora do Yázigi, Sônia Maria dos Santos Rodrigues informa que a ideia da ação foi professora Jaqueline Rossi. "È muito bom promover a cidadania entre os alunos, além do ensino de línguas nós também formamos cidadãos e por isso ajudamos na consciência da solidariedade entre os alunos e professores", disse Sonia Rodrigues. 

Parabéns Equipe Yázigi, importante ganhar chocolate e melhor ainda nesta lição de cidadania, explicar e ensinar aos alunos beneficiados o significado do sentido da Páscoa. Viva!

CAPITAL X INTERIOR: LEC e Atlético fazem jogo de seis pontos hoje em Curitiba

Melhor time do futebol paranaense, o Londrina com 18 pontos, fará hoje a tarde no Ecoestádio contra o Atlético, em Curitiba, o seu jogo mais importante do campeonato até aqui. 
Uma nova vitória, que será a  sétima consecutiva colocará cinco pontos de vantagem sobre o rubro-negro e aumentará suas chances e motivação para continuar firme na luta pelo título do segundo turno e provocar a decisão do título contra o Coritiba. Já um empate é um bom  resultado, mas se perder, a liderança pela primeira vez no returno ficará com o time da Capital.
Como há muito não se via, Londrina e Atlético farão um confronto entre Capital x Interior. E a nossa torcida é para o time da "Capital do Café", que faz uma campanha impecável com torcida contagiante que não se via há muitos anos e até décadas, no futebol do interior. 
Mas para vencer, mesmo que o adversário seja o time sub-23 do Atlético, é imprescindível que o tubarão jogue como vem jogando, e não com um time pequeno,  como sempre acontece quando um do interior vai à Capital. Força Tubarão!

CM FUTSAL JOGA HOJE em Cascavel e fará três jogos em uma semana na Chave Ouro 2013

O jogo contra o forte Cascavel ficou para trás e hoje a noite na Capital do Oeste do Paraná, o Campo Mourão Futsal entra em quadra para buscar sua segunda vitória frente a Associação Cascavelense - o segundo time de Cascavel- às 20h30 no ginásio São Cristóvão. 
O time patrocinado pelas LM/Casali/Campo Mourão/Fecam após o jogo deste sábado fará na sequência dois jogos em casa: na quarta-feira, às 20 horas contra o Guarapuava - outro time da Liga Nacional- e no sábado que vem contra o Quedas do Iguaçu.
RODADA - Os jogos deste sábado no Paranaense 2013 serão entre Quedas Futsal x Maringá, Guarapuava Futsal x Umuarama, Marreco Futsal x Ivai e Ponta Grossa x Foz Cataratas Futsal, Associação Cascavelense x Campo Mourão Futsal e Foz Futsal x  São Lucas. 
Na quarta-feira, dia 3 de abril: Campo Mourão x Guarapuava, Quedas x Umuarama; na quinta-feira: Maringá x Copagril.

TOCANDO DE PRIMEIRA volta no sábado que vem na Colméia AM

Amigos leitores,  ouvintes do nosso programa Tocando de Primeira. Excepcionalmente, não apresentarei hoje neste sabado de Páscoa a partir das 11 horas o nosso programa pelas ondas médias da Rádio Colméia AM. 
O Tocando de Primeira, o seu programa campeão estará de volta no próximo sábado, 6 de abril, com  muitas informações.
Ao vivo e em cores, o Tocando de Primeira é um golaço no rádio brasileiro e já tem 1.015 programas apresentados no rádio brasileiro. Obrigado pela audiência! Feliz Páscoa!

ORAÇÃO DIÁRIA: Pai abre o meu coração....


ESPETÁCULO Auto da Paixão de Cristo é destaque e encanta na sexta-feira santa em CM


Um grande público lotou a Praça São José em Campo Mourão na noite de ontem (sexta-feira) para a apresentação do Auto da Paixão de Cristo. Neste ano o espetáculo contou com quatro palcos, além de uma passarela para encenaçõesA apresentação religiosa e cultural já tradicional e  envolveu mais de 200 pessoas, entre atores, figurantes, músicos, dançarinos, artistas, técnicos, atiradores do Tiro de Guerra e voluntários. 
O espetáculo emocionou a comunidade presente que acompanhou importantes passagens da vida de Jesus Cristo, interpretado pelo músico e ator Paulo Henrique da Silva. 
A encenação foi promovida pelo Município de Campo Mourão, através da Fundacam (Fundação Cultural) e CAT – Coordenação de Ação Teatral, contando ainda com apoio da Catedral Diocesana São José. A encenação foi dirigida por Vanuza Eloíza que atribuiu o sucesso da apresentação como o resultado do talento e esforço de todos.
O Auto da Paixão de Cristo contou com diversas passagens bíblicas da vida de Jesus Cristo. Entre elas estão as cenas de batismo e a tentação de Jesus, dança de Salomé, ressurreição de Lázaro, a reunião dos Sacerdotes, a última Ceia, julgamento de Pilatos, Via-Crúcis e a ressurreição de Jesus Cristo.

Atores – Entre os atores principais da peça, se destaca o próprio Jesus Cristo, que foi interpretado por Paulo Henrique da Silva; Pilatos (Cícero Pereira de Souza), Maria – Mãe de Jesus (Letícia Bonato) e o apóstolo Judas Iscariotes (Rodrigo Silva). Os soldados de Pilatos serão interpretados pelos atiradores do Tiro de Guerra 05-019. Haverá houve participações de alunos da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE), do Corpo de Baile da Associação Municipal de Ballet, bailarinas da Dança do Ventre e componentes da Trupe de Circo Fundacam.
Apoio - O apoio cultural é do Colégio Vicentino Santa Cruz, Coamo Agroindustrial Cooperativa, Embracol Transporte (Turismo e Fretamentos), Cúria Diocesana de Campo Mourão, Sanepar, Hanel Madeiras, Tintas Modelo, Madeireira Polegar, Indústrias Reunidas Cristo Rei LTDA, Construbase, Polícia Militar de Campo Mourão, Corpo de Bombeiros, APAE e Tiro de Guerra 05-019. Com  informações e fotos da Assessoria de Imprensa do Município de Campo Mourão.

EVANGELHO DO DIA sábado, 30 de março de 2013

EVANGELHO 
LC 24, 1-12
1No primeiro dia da semana, bem de madrugada, as mulheres foram ao túmulo de Jesus, levando os perfumes que haviam preparado. 2Elas encontraram a pedra do túmulo removida. 3Mas, ao entrar, não encontraram o corpo do Senhor Jesus 4e ficaram sem saber o que estava acontecendo. Nisso, dois homens com roupas brilhantes pararam perto delas. 5Tomadas de medo, elas olhavam para o chão, mas os dois homens disseram: “Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo? 6Ele não está aqui. Ressuscitou! Lembrai-vos do que ele vos falou, quando ainda estava na Galileia: 7‘O Filho do Homem deve ser entregue nas mãos dos pecadores, ser crucificado e ressuscitar ao terceiro dia’”.  8Então as mulheres se lembraram das palavras de Jesus. 9Voltaram do túmulo e anunciaram tudo isso aos Onze e a todos os outros. 10Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago. Também as outras mulheres que estavam com elas contaram essas coisas aos apóstolos. 11Mas eles acharam que tudo isso era desvario, e não acreditaram.  12Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo. Olhou para dentro e viu apenas os lençóis. Então voltou para casa, admirado com o que havia acontecido.  Palavra da Salvação. Glória a Vós Senhor!

29 de mar de 2013

SEXTA-FEIRA SANTA: O amor vence a morte!


CATEQUESE DO PAPA: A Semana Santa!


"... O que significa seguir Jesus em seu caminho no Calvário para a Cruz e a ressurreição? Em sua missão terrena, Jesus percorreu os caminhos da Terra Santa; chamou 12 pessoas simples para que permanecessem com Ele, compartilhando o seu caminho e para que continuassem a sua missão; escolheu-as entre o povo cheio de fé nas promessas de Deus. Falou a todos, sem distinção, aos grandes e aos humildes, ao jovem rico e à pobre viúva, aos poderosos e aos indefesos; levou a misericórdia e o perdão de Deus; curou, consolou, compreendeu; doou esperança; levou a todos a presença de Deus que se interessa por cada homem e cada mulher, como faz um bom pai e uma boa mãe para cada um de seus filhos. Deus não esperou que fôssemos a Ele, mas foi Ele que se moveu para nós, sem cálculos, sem medidas. Deus é assim: Ele dá sempre o primeiro passo, Ele se move para nós. Jesus viveu a realidade cotidiana do povo mais comum: comoveu-se diante da multidão que parecia um rebanho sem pastor; chorou diante do sofrimento de Marta e Maria pela morte do irmão Lázaro; chamou um cobrador de impostos como seu discípulo; sofreu também a traição de um amigo. Nele Deus nos doou a certeza de que está conosco, em meio a nós. “As raposas – disse Ele, Jesus – as raposas têm suas tocas e as aves do céu os seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça” (Mt 8, 20). Jesus não tem casa porque a sua casa é o povo, somos nós, a sua missão é abrir a todos as portas de Deus, ser a presença do amor de Deus.
Na Semana Santa nós vivemos o ápice deste momento, deste plano de amor que percorre toda a história da relação entre Deus e a humanidade. Jesus entra em Jerusalém para cumprir o último passo, no qual reassume toda a sua existência: doa-se totalmente, não tem nada para si, nem mesmo a vida. Na Última Ceia, com os seus amigos, compartilha o pão e distribui o cálice “por nós”. O Filho de Deus se oferece a nós, entrega em nossas mãos o seu Corpo e o seu Sangue para estar sempre conosco, para morar em meio a nós. E no Monte das Oliveiras, como no processo diante de Pilatos, não oferece resistência, doa-se; é o Servo sofredor profetizado por Isaías que se despojou até a morte (cfr Is 53,12).
Jesus não vive este amor que conduz ao sacrifício de modo passivo ou como um destino fatal; certamente não esconde a sua profunda inquietação humana diante da morte violenta, mas se confia com plena confiança ao Pai. Jesus entregou-se voluntariamente à morte para corresponder ao amor de Deus Pai, em perfeita união com a sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós. Na cruz Jesus “me amou e entregou a si mesmo” (Gal 2,20). Cada um de nós pode dizer: amou-me e entregou a si mesmo por mim. Cada um pode dizer este “por mim”.
O que significa tudo isto para nós? Significa que este é também o meu, o teu, o nosso caminho. Viver a Semana Santa seguindo Jesus não somente com a emoção do coração; viver a Semana Santa seguindo Jesus quer dizer aprender a sair de nós mesmos – como disse domingo passado – para ir ao encontro dos outros, para ir para as periferias da existência, mover-nos primeiro para os nossos irmãos e as nossas irmãs, sobretudo aqueles mais distantes, aqueles que são esquecidos, aqueles que tema mais necessidade de compreensão, de consolação, de ajuda. Há tanta necessidade de levar a presença viva de Jesus misericordioso e rico de amor!
Viver a Semana Santa é entrar sempre mais na lógica de Deus, na lógica da Cruz, que não é antes de tudo aquela da dor e da morte, mas aquela do amor e da doação de si que traz vida. É entrar na lógica do Evangelho. Seguir, acompanhar Cristo, permanecer com Ele exige um “sair”, sair. Sair de si mesmo, de um modo cansado e rotineiro de viver a fé, da tentação de fechar-se nos próprios padrões que terminam por fechar o horizonte da ação criativa de Deus. Deus saiu de si mesmo para vir em meio a nós, colocou a sua tenda entre nós para trazer-nos a sua misericórdia que salva e doa esperança. Também nós, se desejamos segui-Lo e permanecer com Ele, não devemos nos contentar em permanecer no recinto das 99 ovelhas, devemos “sair”, procurar com Ele a ovelha perdida, aquela mais distante. Lembrem-se bem: sair de nós mesmo, como Jesus, como Deus saiu de si mesmo em Jesus e Jesus saiu de si mesmo por todos nós.
Alguém poderia dizer-me: “Mas, padre, não tenho tempo”, “tenho tantas coisas a fazer”, “é difícil”, “o que posso fazer com as minhas poucas forças, também com o meu pecado, com tantas coisas?”. Sempre nos contentamos com alguma oração, com uma Missa dominical distraída e não constante, com qualquer gesto de caridade, mas não temos esta coragem de “sair” para levar Cristo. Somos um pouco como São Pedro. Assim que Jesus fala de paixão, morte e ressurreição, de doação de si, de amor para todos, o Apóstolo o leva para o lado e o repreende. Aquilo que diz Jesus perturba os seus planos, parece inaceitável, coloca em dificuldade as seguranças que se havia construído, a sua ideia de Messias. E Jesus olha para os discípulos e dirige a Pedro talvez uma das palavras mais duras dos Evangelhos: “Afasta-te de mim, Satanás, porque teus sentimentos não são os de Deus, mas os dos homens” (Mc 8, 33). Deus pensa sempre com misericórdia: não se esqueçam disso. Deus pensa sempre com misericórdia: é o Pai misericordioso! Deus pensa como o pai que espera o retorno do filho e vai ao seu encontro, vê-lo vir quando ainda é distante…O que isto significa? Que todos os dias ia ver se o filho retornava a casa: este é o nosso Pai misericordioso. É o sinal que o esperava de coração no terraço de sua casa. Deus pensa como o samaritano que não passa próximo à vítima olhando por outro lado, mas socorrendo-a sem pedir nada em troca; sem perguntar se era judeu, se era pagão, se era samaritano, se era rico, se era pobre: não pergunta nada. Não pergunta essas coisas, não pergunta nada. Vai em seu auxílio: assim é Deus. Deus pensa como o pastor que doa a sua vida para defender e salvar as ovelhas.
A Semana Santa é um tempo de graça que o Senhor nos doa para abrir as portas do nosso coração, da nossa vida, das nossas paróquias – que pena tantas paróquias fechadas! – dos movimentos, das associações, e “sair” de encontro aos outros, fazer-nos próximos para levar a luz e a alegria da nossa fé. Sair sempre! E isto com amor e com a ternura de Deus, no respeito e na paciência, sabendo que nós colocamos as nossas mãos, os nossos pés, o nosso coração, mas em seguida é Deus que os orienta e torna fecunda cada ação nossa....." Palavra do papa Francisco na Catequese deste semana na Praça de São Pedro, em Roma.

EVANGELHO DO DIA Paixão de Cristo, Sexta-feira Santa

EVANGELHO JO 18-1-19,42
PAIXÃO DO SENHOR!
Narrador 1: Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, segundo João. 
Naquele tempo, 1Jesus saiu com os discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos.
2Também Judas, o traidor, conhecia o lugar, porque Jesus costumava reunir-se aí com os seus discípulos. 
3Judas levou consigo um destacamento de soldados e alguns guardas dos sumos sacerdotes e fariseus, e chegou ali com lanternas, tochas e armas. 
4Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer, saiu ao encontro deles e disse: 
Pres.: “A quem procurais?”
Nar. 1: 5Responderam: 
Ass.: “A Jesus, o Nazareno”. 
Nar. 1: Ele disse: 
Pres.: “Sou eu”.
Nar. 1: Judas, o traidor, estava junto com eles. 
6Quando Jesus disse: “Sou eu”, eles recuaram e caíram por terra.
7De novo lhes perguntou:
Pres.: “A quem procurais?” 
Nar. 1: Eles responderam: 
Ass.: “A Jesus, o Nazareno”.
Nar. 1: 8Jesus respondeu: 
Pres.: “Já vos disse que sou eu. Se é a mim que procurais, então deixai que estes se retirem”.
Nar. 1: 9Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito: 
Pres.: “Não perdi nenhum daqueles que me confiaste”.
Nar. 2: 10Simão Pedro, que trazia uma espada consigo, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. 11Então Jesus disse a Pedro: 
Pres.: “Guarda a tua espada na bainha. Não vou beber o cálice que o Pai me deu?” 
Nar. 2: 12Então, os soldados, o comandante e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o amarraram. 
13Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de Caifás, o Sumo Sacerdote naquele ano. 
14Foi Caifás que deu aos judeus o conselho: 
L. 1: “É preferível que um só morra pelo povo”. 
Nar. 2: 15Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus. Esse discípulo era conhecido do Sumo Sacerdote e entrou com Jesus no pátio do Sumo Sacerdote. 
16Pedro ficou fora, perto da porta. Então o outro discípulo, que era conhecido do Sumo Sacerdote, saiu, conversou com a encarregada da porta e levou Pedro para dentro. 
17A criada que guardava a porta disse a Pedro: 
Mulher: “Não pertences também tu aos discípulos desse homem?” 
Nar. 2: Ele respondeu: 
L. 1: “Não”. 
Nar. 2: 18Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira e estavam se aquecendo, pois fazia frio. Pedro ficou com eles, aquecendo-se. 19Entretanto, o Sumo Sacerdote interrogou Jesus a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento. 
20Jesus lhe respondeu: 
Pres.: “Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na sinagoga e no Templo, onde todos os judeus se reúnem. Nada falei às escondidas.
21Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que falei; eles sabem o que eu disse”.

Nar. 2: 22Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava deu-lhe uma bofetada, dizendo: 
L. 1: “É assim que respondes ao Sumo Sacerdote?” 
Nar. 2: 23Respondeu-lhe Jesus: 
Pres.: “Se respondi mal, mostra em quê; mas, se falei bem, por que me bates?” 
Nar. 1: 24Então, Anás enviou Jesus amarrado para Caifás, o Sumo Sacerdote. 
25Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se. Disseram-lhe: 
L. 1:“Não és tu, também, um dos discípulos dele?”
Nar. 1: Pedro negou: 
L. 2: “Não!” 
Nar. 1: 26Então um dos empregados do Sumo Sacerdote, parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha, disse: 
L. 1: “Será que não te vi no jardim com ele?” 
Nar. 2: 27Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou. 28De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador. Era de manhã cedo. Eles mesmos não entraram no palácio, para não ficarem impuros e poderem comer a páscoa. 
29Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse: 
Pilatos: “Que acusação apresentais contra este homem?” 
Nar. 2: 30Eles responderam:
Ass.: “Se não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti!” 
Nar. 2: 31Pilatos disse: 
Pilatos: “Tomai-o vós mesmos e julgai-o de acordo com a vossa lei”. 
Nar. 2: Os judeus lhe responderam: 
Ass.: “Nós não podemos condenar ninguém à morte”. 
Nar. 1: 32Assim se realizava o que Jesus tinha dito, significando de que morte havia de morrer. 
33Então Pilatos entrou de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou-lhe: 
Pilatos: “Tu és o rei dos judeus?” 
Nar. 1: 34Jesus respondeu: 
Pres.: “Estás dizendo isto por ti mesmo ou outros te disseram isto de mim?” 
Nar. 1: 35Pilatos falou:
Pilatos: “Por acaso, sou judeu? O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim. Que fizeste?” 
Nar. 1: 36Jesus respondeu: 
Pres.: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui”. 
Nar. 1: 37Pilatos disse a Jesus: 
Pilatos: “Então, tu és rei?” 
Nar. 1: Jesus respondeu: 
Pres.: “Tu o dizes: eu sou rei. Eu nasci e vim ao mundo para isto: para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz”. 
Nar. 1: 38Pilatos disse a Jesus: 
Pilatos: “O que é a verdade?” 
Nar. 1: Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus, e disse-lhes: 
Pilatos: “Eu não encontro nenhuma culpa nele. 
39Mas existe entre vós um costume, que pela Páscoa eu vos solte um preso. Quereis que vos solte o rei dos Judeus?” 
Nar. 1: 40Então, começaram a gritar de novo: 
Ass.: “Este não, mas Barrabás!” 
Nar. 2: Barrabás era um bandido. 
19,1Então Pilatos mandou flagelar Jesus. 
2Os soldados teceram uma coroa de espinhos e colocaram-na na cabeça de Jesus. Vestiram-no com um manto vermelho, 
3aproximavam-se dele e diziam: 
Ass.: “Viva o rei dos judeus!”
Nar. 2: E davam-lhe bofetadas. 
4Pilatos saiu de novo e disse aos judeus: 
Pilatos: “Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós, para que saibais que não encontro nele crime algum”. 
Nar. 2: 5Então Jesus veio para fora, trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho. Pilatos disse-lhes: 
Pilatos: “Eis o homem!” 
Nar. 2: 6Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: 
Ass.: “Crucifica-o! Crucifica-o!”
Nar. 2: Pilatos respondeu: 
Pilatos: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”. 
Nar. 2: 7Os judeus responderam: 
Ass.: “Nós temos uma Lei, e, segundo esta Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”. 
Nar. 2: 8Ao ouvir estas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda. 9Entrou outra vez no palácio e perguntou a Jesus: 
Pilatos: “De onde és tu?” 
Nar. 2: Jesus ficou calado. 
10Então Pilatos disse: 
Pilatos: “Não me respondes? Não sabes que tenho autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar?” 
Nar. 2: 11Jesus respondeu:
Pres.: “Tu não terias autoridade alguma sobre mim, se ela não te fosse dada do alto. Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior”.
Nar. 2: 12Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus. Mas os judeus gritavam: 
Ass.: “Se soltas este homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César”.
Nar. 2: 13Ouvindo essas palavras, Pilatos levou Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado “Pavimento”, em hebraico “Gábata”. 14Era o dia da preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Pilatos disse aos judeus: 
Pilatos: “Eis o vosso rei!” 
Nar. 2: 15Eles, porém, gritavam: 
Ass.: “Fora! Fora! Crucifica-o!”
Nar. 2: Pilatos disse: 
Pilatos: “Hei de crucificar o vosso rei?” 
Nar. 2: Os sumos sacerdotes responderam: 
Ass.: “Não temos outro rei senão César”. 
Nar. 2: 16Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram.
Nar. 1: 17Jesus tomou a cruz sobre si e saiu para o lugar chamado Calvário”, em hebraico “Gólgota”. 
18Ali o crucificaram, com outros dois: um de cada lado, e Jesus no meio.
Nar. 1: 19Pilatos mandou ainda escrever um letreiro e colocá-lo na cruz; nele estava escrito: 
Ass.: “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”.
20Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade. O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego. 
Nar. 1: 21Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: 
Ass.: “Não escrevas ‘O Rei dos Judeus’, mas sim o que ele disse: ‘Eu sou o Rei dos judeus’”.
Nar. 1: 22Pilatos respondeu: 
Pilatos: “O que escrevi, está escrito”.
Nar. 1: 23Depois que crucificaram Jesus, os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes, uma parte para cada soldado. Quanto à túnica, esta era tecida sem costura, em peça única de alto abaixo. 
24Disseram então entre si: 
Ass.: “Não vamos dividir a túnica. Tiremos a sorte para ver de quem será”. 
Nar. 2: Assim se cumpria a Escritura que diz: “Repartiram entre si as minhas vestes e lançaram sorte sobre a minha túnica”. Assim procederam os soldados.
Nar. 1: 25Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 
26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: 
Pres.: “Mulher, este é o teu filho”. 
Nar. 1: 27Depois disse ao discípulo:
Pres.: “Esta é a tua mãe”. 
Nar. 1: Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. 28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: 
Pres.: “Tenho sede”.
Nar. 1: 29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 
30Ele tomou o vinagre e disse: 
Pres.: “Tudo está consumado”. 
Nar. 1: E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
(Aqui todos se ajoelham.)
Nar. 2: 31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz.
Nar. 1: 32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus. 
33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 
34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. 
Nar. 2: 35Aquele que viu dá testemunho e seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade, para que vós também acrediteis. 
36Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: “Não quebrarão nenhum dos seus ossos”. 
37E outra Escritura ainda diz: “Olharão para aquele que transpassaram”.
Nar. 1: 38Depois disso, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus — mas às escondidas, por medo dos judeus — pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus. Pilatos consentiu. Então José veio tirar o corpo de Jesus. 39Chegou também Nicodemos, o mesmo que antes tinha ido de noite encontrar-se com Jesus. Trouxe uns trinta quilos de perfume feito de mirra e aloés. 
40Então tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho, como os judeus costumam sepultar.
Nar. 2: 41No lugar onde Jesus foi crucificado, havia um jardim e, no jardim, um túmulo novo, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. 
42Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo estava perto, foi ali que colocaram Jesus. Palavra da Salvação. Glória a Vós Senhor!

28 de mar de 2013

QUINTA-FEIRA SANTA: Instituição da Eucaristia


NESTA SEXTA-FEIRA, Auto da Paixão de Cristo em CM

O Auto da Paixão de Cristo será apresentado amanhã  em Campo Mourão,  às 20 horas, na Praça São José. O espetáculo vai movimentar 200 pessoas, entre atores, figurantes, músicos, dançarinos, artistas, técnicos e voluntários. São esperadas milhares de pessoas para assistir a peça que mostra passagens da vida de Jesus Cristo. 
A encenação é promovida pelo Município de Campo Mourão, através da Fundação Cultural (Fundacam) - Coordenação de Ação Teatral (CAT), contando com apoio da Catedral Diocesana São José. O tempo de duração será de aproximadamente 1 hora e 40 minutos.
A diretora do evento, Vanuza Eloíza, tem a expectativa de levar ao público um dos melhores espetáculos dos últimos anos. Ela destaca que os ensaios já acontecem desde o final de fevereiro, e as peças para a montagem do cenário já foram levadas ao local durante esta semana. 
Atores – Entre os atores principais da peça, se destaca o próprio Jesus Cristo, que será interpretado por Paulo Henrique da Silva; Pilatos (Cícero Pereira de Souza), Maria – Mãe de Jesus (Letícia Bonato) e o apóstolo Judas Iscariotes (Rodrigo Silva). Os soldados de Pilatos serão interpretados pelos atiradores do Tiro de Guerra 05-019. Haverá ainda participações de alunos da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE), do Corpo de Baile da Associação Municipal de Ballet, bailarinas da Dança do Ventre e componentes da Trupe de Circo Fundacam.
O evento é apoiado pelo Colégio Vicentino Santa Cruz, Coamo, Embracol Transporte, Cúria Diocesana de Campo Mourão, Sanepar, Hanel Madeiras, Tintas Modelo, Madeireira Polegar, Indústrias Reunidas Cristo Rei LTDA, Construbase, Polícia Militar de Campo Mourão, Corpo de Bombeiros, APAE e Tiro de Guerra 05-019.

ESSA CAMISA PESA!


A IMAGEM DO CAMPO MOURÃO FUTSAL em 27 de março 2013

Na imagem, elenco e comissão técnica do Campo Mourão Futsal na noite de 27 de março 2013, antes do jogo contra o Cascavel, na Chave Ouro do Campeonato Paranaense de Futsal.

PAPA FRANCISCO dedica sua primeira Catequese à Semana Santa

O Papa Francisco realizou sua primeira Audiência Geral nesta quarta-feira, 27, na Praça São Pedro, no Vaticano, que estava repleta de fiéis. O Santo Padre dedicou sua Catequese à Semana Santa e explicou que, após a Páscoa, irá retomar as Catequeses sobre o Ano da Fé, como vinha fazendo seu predecessor. 

“Mas que significa viver a Semana Santa para nós?”, questionou o Papa. "É acompanhar Jesus no seu caminho rumo à Cruz e à Ressurreição. Em sua missão terrena, ele falou a todos, sem distinção, aos grandes e aos humildes, trouxe o perdão de Deus e sua misericórdia, ofereceu esperança; consolou e curou. Foi presença de amor".

O Pontífice explicou que na Semana Santa, "vivemos o vértice dessa caminhada de Jesus, que se entregou voluntariamente à morte para corresponder ao amor de Deus Pai, em perfeita união com sua vontade, para demonstrar o seu amor por nós".

Em seguida, o Santo Padre indagou: “O que tudo isso tem a ver conosco?", e explicou que esta caminhada é também "a minha, a tua, a nossa caminhada". 

"Viver a Semana Santa seguindo Jesus quer dizer aprender a sair de nós mesmos, ir ao encontro dos outros, ir às periferias da existência, encontrar sobretudo os mais distantes, os que mais necessitam de compreensão, de consolação, de ajuda. Viver a Semana Santa é entrar sempre mais na lógica de Deus, do Evangelho.  Mas acompanhar Cristo exige sair de nós mesmos, deixar de lado um modo cansado e rotineiro de viver a fé. Deus saiu de Si mesmo para vir ao nosso encontro e também nós devemos fazer o mesmo". 

A falta de tempo não é desculpa, disse o Papa. "Não podemos nos contentar com uma oração, uma Missa dominical distraída e não constante, de algum gesto de caridade, e não ter a coragem de 'sair' para levar Cristo". Canção Nova e Vaticano.

EVANGELHO DO DIA 28 de março 2013 - Quinta-feira Santa

EVANGELHO JO, 13-1,15
1Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido. 6Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”. 8Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”.  10Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.
11Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”. 12Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz. Palavra da Salvação. Glória a Vós Senhor.