28 de mai de 2013

HISTÓRIA AML: PONTOS DO DISCURSO NA sessão solene dos 11 anos da Academia Mourãoense de Letras

Posto abaixo, pontos do discurso que proferi, na sessão solene dos 11 anos da Academia Mourãoense de Letras e posse das novas acadêmicas Dirce Salvadori e Cristina Mota.
"Exmo  Sr. Presidente da academia mourãoense de letras.
Srs. Membros da mesa diretora
Srs. Acadêmicos
Senhores e senhoras
Esta noite reveste-se de grande importância não só para nós acadêmicos da Academia Mourãoense de Letras, mas com certeza para nossos familiares, comunidade. Saúdo a todos os presentes que muito nos honram e nos alegram nesta noite histórica.
A Academia Mourãoense de Letras comemora, 11 anos de sua fundação, bem como tem o privilégio de empossar duas novas confreiras, que são bem-vindas, Dirce Bortoti Salvadori e Cristina Gláucia Schreiner Mota, para ocupar as cadeiras de números 37 e 38, tendo como patronesses Dúlcia Gomes Delattre e Adelaide Teodoro de Oliveira. 
......
Sociólogos e filósofos veem que o escritor e o poeta são verdadeiros guardiões do pensamento científico e literário da humanidade. Eliot escreveu que "um povo que descuida de seu patrimônio literário, é um povo que se converteu em bárbaro, visto que o povo que deixa de produzir literatura paralisa seu pensamento e a sua sensibilidade."
Literatura é a presença da emoção no texto consumado.
Nesta noite solene, em que a nossa gloriosa Academia Mourãoense de Letras, festeja seu aniversario, podemos afirmar com alegria e entusiasmo que ela vem há pouco tempo, porque onze anos são poucos anos e tempo, cumprindo o seu papel, e com muito a caminhar, evoluir, tem a missão especial no sentido de contribuir para a elevação da cultura de nossa cidade e região, com foco no cultivo, preservação e divulgação da nossa literaura nos diversos aspectos, como  científicos, literários,  artísticos e históricos.
E por mencionar, oportuno ressaltar caros acadêmicos, autoridades, comunidade aqui presente que a história e o sonho da nossa academia mourãoense de letras tem a data de 8 de junho de 2001 como marco relevante e a nossa gloriosa Fecilcam, como sede dos seus primeiros passos da nossa AML. Pois, neste local e data, o imortal túlio vargas, então presidente da Academia Paranaense de Letras dialogava motivando e conclamando mourãoenses a expandir Centros de Letras no interior do Paraná, e segundo ele, pela sua importância e relevância, campo mourão não poderia ficar de fora deste processo.
De início, o contato de Vargas foi com o conhecido Augusto Carneiro, que por sua vez, de forma inteligente e com sabedoria ímpar naquela oportunidade, indicou o nome da professora Sinclair Pozza Casemiro para desencadeamento do processo. A professora, após 20 dias, recebeu apoio de Rubens Luiz Sartori, Amani Spachinski e José Eugênio Maciel, que haviam se manifestado anteriormente de forma positiva sobre a iniciativa.
Então, para que o processo fosse legítimo, com apoio de instituições representativas do meio acadêmico, na fecilcam, realizou-se importante reunião com o presidente da academia paranaense e um membro da academia maringaense de letras, e os mourãoenses Amani Spachinski – presidente da associação mourãoense dos escritores-, Luiz Augusto Mazuchetti, Gilberto Santana de Alencar, Rubens Luiz Sartori, Noel Meireles Cardoso, José Passos e Sinclair Casemiro, os quais aprovaram a iniciativa da implantação da Academia Mourãoense de Letras.
E com este ato, foi início o processo formal. Em 10 de setembro de 2001, a comissão de implantação aprovou e decidiu sobre seu estatuto e regimento, e um mês depois, foram definidos os primeiros patronos por votação, sendo que  os nomes haviam sido indicados e pesquisados pelos próprios membros: Constantino Medeiros, Adinor Cordeiro, Dom Eliseu Simões Mendes, Horácio Amaral, Nelson Bittencourt Prado, Nicon Kopko, Aracyldo Marques...... 
Ilivaldo Duarte, fundador da cadeira 28 da AML, diretor Orador 2013. Continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário