17 de nov de 2011

COLUNA DA FONOAUDIÓLOGA CAMILA ZAZULA: O que é Fenda Glótica?


A laringe é um órgão móvel, suscetível de se deslocar para cima e para baixo, de se inclinar ligeiramente para frente e de se direcionar para trás. A voz tem sua produção limitada, se esta movimentação não ocorrer livremente e de forma simultanea ao movimento das pregas vocais, o deslocamento da túnica mucosa e a integração das cavidades de ressonância. A laringe não pode estar nem em posição elevada ou baixa no pescoço e nem fixa, pois isto resulta em distúrbio vocal.
Designamos por fendas glóticas as alterações posturais das pregas vocais, podem estar associadas às inadaptações anatômicas, ou apenas decorrerem destas; um fechamento glótico normal e adequado não deixa à mostra nenhuma fenda entre as pregas vocais.
Existem vários tipos de fendas glóticas:
• Triangulares: apresentam um formato muito próximo ao de um triângulo com base na região da comissura posterior; sendo que estas podem ser posterior, médio-posterior ou ântero-posterior;
 Fusiformes: observa-se a formação de um fuso à fonação; e podem ser ântero-posterior, anterior ou posterior;
• Paralelas:
• Duplas;
• Irregulares.
A Fenda Triangular Posterior: quase não interferem na qualidade vocal; tendência à redução dos tempos máximos da fonação; Insuficientes para causar perdas na qualidade vocal; mais comum em mulheres jovens; sem queixa vocal.
A Fenda triangular médio-posterior: decorre de um estado de contração excessiva da musculatura intrínseca da laringe (hipercinesia); voz geralmente soprosa, podendo ser áspera ou rouca; tempos máximos de fonação curtos; ataques vocais bruscos; volume e extensão vocal reduzidos; fadiga vocal evidente; incoordenação pneumofono­articulatória, está mais associada à presença de nódulos.
Fenda triangular antero-posterior: voz soprosa em grau de alteração variável; baixa intensidade; projeção vocal restrita; tempos máximos de fonação encurtados; ataque vocal soproso; presentes em algumas disfonias neurológicas e psicogências.
Fenda fusiforme anterior: voz apresenta freqüência fundamental discretamente elevada;qualidade vocal soprosa ou áspera;nos homens este quadro pode ser confundido com muda vocal incompleta. Qualidade vocal apresenta soprosidade, rouquidão, aspereza, rudeza e bitonalidade.
Fenda fusiforme posterior: corresponde a uma variação da fusiforme ântero-posterior, com menor rigidez na região anterior.
Fenda paralela: são bastante incomuns;podem ser confundidas com as triangulares ântero-posteriores; geram pequeno impacto vocal; enhuma qualidade específica as caracteriza.
Fenda dupla ou ampulheta: geralmente são fendas triangulares médio-posteriores com lesão de mucosa, predominantemente edema localizado, uni ou bilateral, que produz o aparecimento de abertura anterior; a voz apresenta uma qualidade vocal rouco/soprosa e nem sempre o grau de comprometimento vocal está diretamente associado ao tamanho do edema ou ao tamanho da fenda glótica.
Fenda irregular: podem ser encontradas em quadros de inadaptação fônica, podendo aparecer associadas a diferenças de tamanho nas pregas vocais; mais comuns em: quadros orgânicos, atrofias de pregas vocais, laringites crônicas, placas leucoplásicas, câncer, presbifonia.
Se você possui alguma dessas queixas vocais procure atendimento com um Fonoaudiólogo(a), ele vai te ajudar.
Dúvidas, opiniões, observações: envie seu email para camilazazula@hotmail.com ou me procure na Clínica Betel (44 3017-5577) na Rua Pan
ambi 1966, ou na Clínica Oto – Oftálmica (44 3016-2332), em Campo Mourão-PR.

5 comentários:

  1. estou com esta fenda glotica triangular e trabalho em telemarketing,qr saber se minha voz pode piorar se continuar trabalhando 7 horas e 12 min. por dia, pois fui ao otorrino,e ele me deu um laudo medico,porém, não estou fazendo tratamento,preciso de ajuda,pois estou com queda de audição e zunido,e minha garganta só vive doendo,e rouca...

    ResponderExcluir
  2. Eu estou com duvidas fiz o exame de nasolaringoscopia, e constou que tenho fenda vocal, se que mediante ao que já li meu caso não e nada parecido com os apresentados porque no meu caso eu fico totalmente afonica, cheguei a ficar 8 meses sem voz, depois de repente ela volta assim como sumiu. Será que o meu diagnostico está correto?

    Helena

    ResponderExcluir
  3. Paula,

    Estou com dúvida. Fui a um otorrino e ele me disse que tenho uma fenda triangular grau 2. Gostaria de saber se esta fenda é fisiológica em mulheres.

    Aguardo retorno

    ResponderExcluir
  4. Estou com uma fenda glótica paralela...incomoda porque perco a voz e parece que tenho algo enganchado na garganta...sou professora...é triste...mesmo usando o microfone minha voz trava e tenho que lubrificar com água, me acalmar pra recuperar a voz...tenho 24 anos de sala de aula e só ganhei microfone esse ano. Tem cura???? Estou preocupada...

    ResponderExcluir